Curta e fique por dentro!

[Quote] Novembro 9.


Olá, todo mundo!

Sou uma grande admiradora do trabalho da CoHo (Colleen Hoover), e estava super empolgada para fazer a leitura de Novembro 9, esse livro foi a causa da destruição do meu pobre coração, em breve terá resenha dele por aqui. Mas, o que vim hoje trazer para vocês, foram alguns dos quotes mais lindos que tive o prazer de ler na vida. Espero que gostem!

"Quem quer que tenha dito que a verdade machuca estava sendo otimista. A verdade é uma filha da puta que provoca uma dor excruciante."

"Porque é fácil se apaixonar, Ben. A parte difícil vem quando você quer cair fora."

"— Uma das coisas que sempre tento lembrar a mim mesma é que todo mundo tem cicatrizes — diz ela. — Muita gente tem umas ainda piores do que as minhas. A única diferença é que as minhas são visíveis e a da maioria das pessoas, não."

"— Alô? — No mesmo instante reconheço o suspiro que vem do outro lado. É loucura que eu sequer precise ouvir a voz dele para reconhecê-lo. Ele está incrustado em minha mente nesse nível. Até o som da sua respiração é familiar para mim."

"Nunca vou conhecer alguém que me faça sentir como ele me faz. As pessoas não têm essa sorte mais de uma vez numa única vida."

"Quando encontrar o amor, deve agarrá-lo. Você o agarra com as mãos e faz o possível para não soltar. Não pode simplesmente se afastar dele e esperar que dura até que você esteja preparada."

"Você me deixou livre. Você me encorajou a ser livre. E quero o mesmo para você. Quero que você siga sua paixão, e não seu coração."

"O amor deve ser entre duas pessoas e, se não for assim, prefiro dar o fora em vez de participar da disputa."

"Quando estiver disposto a abrir mão das coisas que mais significam para você só para ver alguém feliz. Isto é amor de verdade."


Beijos e até o próximo post!

Book Haul - Julho.


Olá, todo mundo!

Pensem num mês cheio de promoções, assim foi Julho. Eu não sabia nem o que adquirir, ficava colando e tirando coisas do carrinho até (finalmente) escolher o que queria. Tinha como meta só comprar livros depois de ler todos os não lidos, porém, foi impossível resistir à tantas tentações. Vamos lá conhecer meus novos bebês?


A Saraiva é a única loja em que compro onde podemos pegar o produto na loja, eu nunca tinha usado esse método, mas resolvi testar e adorei! Principalmente, porque mês passado teve uma super promoção de desconto progressivo e logo na primeira compra adquiri cinco livros, foram eles: Cidade das Almas Perdidas, Cidade do Fogo Celestial, Corre de Névoa e Fúria, Marca da Guerra e Novembro 9.


No mesmo dia, só que em horário diferente, eu me deparei com esse lançamento da Rocco por 21 e alguns centavos, foi mais forte do que eu e não consegui resistir, tinha que pegar Crave a Marca para mim <3


No dia em que fui buscar todos os livros acima, eu tinha visto que Red Hill estava por 10 dilmas no site, chegando na loja ele estava por 14,90, pedi o valor do site (sim, você pode fazer isso, mas não funciona em todas as lojas pelo que pesquisei) e trouxe esta belezinha comigo.


Sempre quis ler algo da Nora e no Amazon Day esses dois livros estava por 16,80 sem frete, lógico que não podia deixar Fruto do Pecado e Alerta da Natureza abandonados no estoque da loja né?!


Sempre recebo e-mails da Saraiva, às vezes até fico de saco cheio, entretanto tenho que agradece-los pelas atualizações, pois comprei Yaqui Delgado quer quebrar a sua cara por 5,90 e o frete foi grátis 😱😍. Sempre quis ler esse livro.


Beijos e até o próximo post!

[Resenha] A Rainha Vermelha.



Título original: Red Queen
Autor (a): Victoria Aveyard
Editora: Seguinte 
Ano: 2015
ISBN: 9788565765695

Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho? Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.

"Ele tem razão. É cruel dar esperanças quando não há nenhuma. Geraria apenas frustração, ressentimento e raiva: tudo o que torna a vida ainda mais difícil do que já é."

Num universo futurista dividido por aqueles que tem o sangue prateado e vermelho, Mare Barrow é só mais uma vermelha que mais cedo do que esperava será convocada pelo exército, como se não bastasse o modo horrível com o qual os vermelhos vivem. Sua terá que ver mais um filho indo para a batalha. Maré tenta encontrar meios para evitar isso, mas não tem pra onde fugir e nem como.

Mare sempre soube que seria convocada, já tinha até se conformado, no entanto ao saber que Kilorn Warren perdeu seu patrão e que fez dezoito anos recentemente, ela volta a cogitar uma fuga, agora com força renovada. Mare não está disposta a perder seu amigo, ainda mais um amigo que perdeu tudo o que tinha. Entra em contato com Will um mercador muito conhecido por suas proezas no mercado negro.

Will não consegue (ou não quer) ajudá-la, contudo outra pessoa se dispõe a fazê-lo, desde que Mare consiga duas mil coroas, uma por ela e outra por Kilorn. Ela não sabe como conseguir todo esse dinheiro, mas, aceita assim mesmo, vai até o Palacete do Sol com sua irmã que trabalha lá. Um atentado da Guarda Escalate deixa os prateados em alvoroço e Mare não consegue roubar a quantia desejada, sua irmã entra em desespero e tenta pegar uma joia, entretanto é descoberta e quebram seus dedos.

Envergonhada, Mare deixa a irmã em casa e parti para bater carteiras no vilarejo. Ela consegue bater várias carteiras, porém ainda não é o suficiente para escapar, e ela tem mais um dia para arrecadar o dinheiro. A última pessoa que ela tenta bater a carteira, acaba surpreendendo-a e Mare teme pelo pior. E aí, ela conseguirá sair dessa ilesa?

"Para conhecer alguém você tem que conhecer seus medos."

O que contei aqui é apenas uma hora no oceano. O livro terá muito mais a contar e não quero estragar revelando demais. Desde que esse livro foi lançado, eu desejava lê-lo, finalmente à espera terminou e valeu cada minuto. Que história, caros leitores. Que história! Eu li algumas críticas negativas sobre o livro, só que acho que lemos livros diferentes hahaha, pois não é possível que não tenham gostado.

Mare tem dezessete anos, sua vida é tão complicada e ela se vira nos vinte para lutar por um futuro melhor, que muitas vezes eu esquecia que ela era tão nova. Ela é determinada, corajosa, um pouco impulsiva, leal e acredita no melhor das pessoas, e isso a colocará em maus lençóis. Mare era apenas mais uma vermelha e de repente seu mundo foi virado de cabeça para baixo e se vê no meio de algo muito maior do que esperava.

Kilorn não tem família, ele sobrevivia com muito pouco até que arranjou um emprego. Com a morte do seu patrão, ele é forçado a encarar um futuro incerto. Ele passou muito tempo sob a proteção de Mare, agora é a hora dele se mostrar capaz, e mesmo ela sendo contra, ele deseja se juntar a uma causa.

Sabe aquele personagem que mal apareceu e você já está pensando nos nomes dos filhos e qual raça de cachorro adotar? Assim é o Cal, mozão master <3. Logo que ele apareceu me cativou, e olhe que eu não sabia nada sobre ele. Porém, Cal tem essa coisa atrativa e até mesmo quando não concordava com suas opiniões, me pegava tentando entender o lado dele.

A lista de personagens que eu desejei a morte nesse livro seria do tamanho de uma bíblia, a Victoria sabe como criar personagens odiosos, não citarei nomes, deixarei que você os conheça e desejem matá-los também (ou não, tem gosto pra tudo, não é mesmo?).

O universo curado nesse livro é fantástico. Descobrimos muitas coisas nesse primeiro livro, no entanto sinto que há muito mais a descobrir e eu mal posso esperar. A maioria dos prateados são desprezíveis, mas só conhecemos alguns dessa população, o mesmo pode ser dito dos vermelhos e da guarda.

Os fãs de A Seleção, Jogos Vorazes e Divergente, com certeza, gostará desse livro. Pois há romance, tem uma protagonista feminina que é um símbolo da revolução e há todo um universo novo, diferente e repleto de descobertas a serem feitas. Eu amei esse livro!

A narrativa é toda pelo ponto de vista da Mare e em um momento específico senti falta de uma visão geral, todavia a história foi revelada e mudei de ideia. Mesmo só vendo o ponto de vista dela, a autora conseguiu manter o leitor informado do que ocorria com os outros, e quando isso não acontecia, a surpresa da descoberta era tão chocante que o leitor fica pensando "como não cogitei isso antes?" É maneiro!

O modo como a história foi conduzida é brilhante! A escrita perspicaz me deixou completamente fascinada e na ânsia por mais. Os personagens são impressionantes e marcantes. A história foi construída de maneira incisiva. A edição está incrível, bonita e muito caprichada.


Beijos e até o próximo post!

Leituras do mês - Julho.


Olá, todo mundo!

Esse foi um mês muito movimentado em relação às minhas leituras, li até mais do que eu esperava, e foram leituras muito bacanas, gostei de todas elas (mesmo tendo algumas ressalvas). E, como sempre farei um resumo do que achei e em breve todas as resenhas serão postadas por aqui. Caso, queiram ler uma resenha mais resumida é só me seguir lá no Instagram (@oculoselivros), posto sempre por lá.


Extraordinário, foi uma releitura muito gostosa de se fazer, além de o livro passar uma mensagem muito linda, emocionante é importante. Recomendo sempre esse livro.

Marca da Guerra, eu amei o livro! Mas, como final de série, achei que a autora pecou bastante. É uma série maravilhosa e não teve o brilho, a grandeza que era esperado, no entanto é uma das minhas séries favoritas do momento e na resenha explico direitinho o que achei.

A Garota Italiana, foi uma história cheio de altos e baixos, e estou até agora pensando em como colocarei na resenha tudo o que o livro me fez sentir. Foi uma boa leitura, a Lucinda não decepciona, o mesmo não pode ser dito do protagonista Roberto haha.


Novembro 9, que livro, caros leitores, que livro! Usem colete à prova de balas ao fazerem essa leitura. CoHo como sempre criando história lindas, tocantes e que despertam várias emoções no leitor. A melhor leitura que fiz em Julho <3

• Cidade das Almas Perdidas, eu esperava algo diferente desse livro, não foi um leitura ruim, mas eu esperava o amadurecimento da Clary e quando não veio, isso me decepcionou um pouco. Também achei a narrativa desse livro um pouco arrastada, porém ao olhar no geral não considerei o livro ruim, não.

Príncipe Partido, eu fiquei passada com o começo, o final e o que acontece no meio desses dois. Eu estava morrendo de curiosidade para ler esse livro e não me decepcionei, algumas atitudes dos personagens me incomodaram, contudo em outros aspectos o livro supera e muito o volume anterior.


Alerta da Natureza, meu primeiro contato com Nora Roberts e foi bem melhor do que eu esperava. Nesse livro, ela passa a ideia de mais um romance clichê, ao chegarmos no meio do livro, notamos que há muito mais do que o início nos levou a crer.

Red Hill, nunca li nada de zumbis e evitava a todo custo esse estilo de livros, no entanto me joguei de cabeça nessa leitura e não me arrependi. É um livro muito eletrizante, a adrenalina da história é passada ao leitor, além disso me impressionar, percebi que Jamie melhorou bastante sua escrita.


Beijos e até o próximo post!

[Resenha] A Garota no Trem.



Título original: The Girl on The Train
Autor (a): Paula Hawkins 
Editora: Galera Record
Ano: 2015
ISBN: 9788501104656

Sinopse: Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor. Todas as manhãs, Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas dágua, pontes e aconchegantes casas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes a quem chama de Jess e Jason, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess na verdade Megan está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota No Trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.

"Perdi controle sobre tudo, até sobre os lugares dentro da minha cabeça."

Todos os dias, Rachel embarca no trem que segue em direção ao centro de Londres, durante o percurso ela olhava pela janela e imaginava como era a vida dos moradores daquela região. Uma casa em particular chama a tenção dela, é a casa que fica de frente ao local onde o trem faz uma pausa de alguns minutinhos, por conta do sinal. De tanto observar a vida do casal que mora ali, ela deu nomes a eles e criou uma história.

Numa certa manhã, Rachel se deparou com a mulher que morava na casa que observava, aos beijos com um homem que não era o seu marido, e ficou revoltada com essa traição. Ela até tenta ver melhor a cena, mas aí o trem começa a andar. Isso a incomoda durante todo todo o dia, não consegue acreditar que um relacionamento supostamente perfeito tenha fim, porque Jess (nome que colocou na moradora) não conseguiu ser fiel.

Na segunda-feira, seguinte ao que presenciou, Rachel descobre que Megan (a quem chamava de Jess) estava desaparecida, ela quer contar a polícia o que viu, porém como irá explicar que observava a casa sem parecer uma maluca? Ela passa a acompanhar cada notícia que sai sobre o caso, e até começa a investigar por conta própria.

Rachel começa a ter flashbacks sobre a noite do desaparecimento de Megan, contudo as imagens não são precisas e estão muito confusas. Mesmo querendo saber o que aconteceu com Megan e ajudar a polícia a encontrá-la, ela sabe que seu histórico falará mais alto.

"O vazio dentro de mim, o vazio que eles deixaram, vai ficar cada vez maior até me consumir."

O auê que fizeram quando esse livro foi lançado foi sem tamanho. E ao mesmo tempo que minha curiosidade gritava, meu receio em ler livros no hype falou mais alto, e que bom que não li o livro naquela época, pois as expectativas que eu tinha em torno da história poderiam ter me deixado frustada.

Rachel é uma personagem de quem eu não gostava no começo, eu me perguntava como uma mulher tão inteligente poderia ter deixado a vida chegar aquele ponto e quando descobri toda a história da vida dela, eu senti uma enorme empatia pela personagem. Era alguém que não fez nada para merecer o que teve, e que infelizmente perdeu o rumo na vida. O desenvolvimento dela foi um fator fundamental para eu ter gostado tanto do livro, sua história foi retratado de modo real, crível.

Megan foi o personagem mais mal interpretada do livro. A autora criou a imagem de irresponsável, traidora, impulsiva e mentirosa para a personagem, e acredito que isso tenha confundido muitos leitores, eu mesma me questionava o tempo todo se ela estava desaparecida de verdade. Julguei a Megan muito mal e ao saber de toda sua história, fiquei muito triste, pois ela era só uma mulher danificada, que não aprendeu o que era amor de verdade.

Apesar delas duas serem as principais, há outros personagens que serão importantes para o desfecho do mistério. Não quero falar muito sobre eles, porque sinto que não conseguiria me conter e é provável que eu deixasse escapar algo, mesmo que sem querer. No entanto, deixo uma dica sejam igual a Rachel, observem!

O ponto extra positivo do livro é como a autora vai pregando peças no leitor, você acha que sabe de tudo e ao virar a página vê sua teoria ruir. Descobrir o que realmente aconteceu no dia do desaparecimento causa um frenesi no leitor tão grande que é impossível largar esse livro. Passei a madrugada lendo e só larguei o livro quando acabei.

Mesmo tendo sido genial o modo como o mistério realmente aconteceu, eu senti que a pessoa responsável por tudo foi um tanto previsível. Não sei se é porque assisto seriados polícias demais ou se porque prestei bastante atenção aos detalhes. Entretanto, isso não tornou o livro ruim, foi só algo que me intrigou. Por isso, aconselham a controlarem as expectativas.

A narrativa desse livro é um grande contribuinte para ele ser tão bom. Pois, se alterna entre passado e futuro e pontos de vistas diferentes, e sempre que algo importante estava para ser revelado o ponto de vista mudava e ao invés de causar frustração, só instigava o leitor a ler mais.

A Garota no Trem é o tipo de livro que te transporta para dentro da história, que te fará desconfiar até de sua própria sombra haha, que sugara todos os momentos livres que o leitor tem, porque você PRECISA saber o que aconteceu. É um livro bem construído, com uma narrativa leve o que tornar uma leitura rápida, tem personagens muito intrigantes e um enredo de matar.


Beijos e até o próximo post!

TBR de Agosto.


Olá, todo mundo!

 Faz algum tempo que não faço uso desse método para as minhas leituras, porém Agosto será um mês bem corrido, mas sou o tipo de pessoa que não consegue não ler, entendem?
 Confesso que fui um pouco ambiciosa ao escolher cinco livros para ler no mês, e só escolhi livros estilo camalhaços, entretanto se eu ler três desses livros, já me considerarei vitoriosa haha. Chega de papo e vamos lá conhecer os livros que foram sorteados.

Nildrien, o pergaminho, esse livro chegou em parceira com o autor, estou bem curiosa em relação a história, até já dei uma folheada e é minha prioridade lê-lo primeiro. Ainda não sei tudo sobre o livro, mas os comentários que já li me deixaram bem empolgada.

Teardrop, é uma releitura que quero fazer há algum tempo, porém nunca consegui tempo para isso. Não é algo que PRECISO ler, mas faz muito tempo que li e lembro muito pouco da história.

Nada mais a perder, sou fangirl da Jojo né? Impossível não querer ler o único livro que tenho dela e ainda não li. Estou bem curiosa quanto a essa história, pois ouvi coisas muito positivas, meu coração chega até a bater mais rápido haha.

Crave a Marca, minha gente, sou fã demais da série Divergente e quando soube do lançamento desse livro, quis comprá-lo correndo (figuritivamente, é claro). Não sei nada do livro, só sei que tem uma edição linda e super caprichada e é escrito pela Tia Veronica, espero gostar.

Corte de Névoa e Fúria, a tão esperada continuação de Corte de Espinhos e Rosas e eu finalmente a tenho em mãos. Como já sabem o terceiro livro já foi lançado lá fora e chega aqui no Brasil em setembro, então tenho que fazer essa leitura logo para não pegar spoilers. Além disso, estou com uma baita saudades desse universo incrível.


Beijos e até o próximo post!

[Resenha] Os dois mundos de Astrid Jones.



Título original: Ask the Passengers
Autor (a): A. S. King
Editora: Gutenberg
Ano: 2015
ISBN: 9788582352694

Sinopse: "O movimento é impossível." É o que Astrid Jones, 17 anos, aprendeu na sua aula de filosofia. E, vivendo na pequena cidade em que mora, ela começa a acreditar que isso é mesmo verdade. São sempre as mesmas pessoas, as mesmas fofocas, a mesma visão de mundo limitada, como se estivessem todos presos em uma caverna, nunca enxergando nada além. Nesse ambiente, ela não tem com quem desabafar suas angústias, e por isso deita-se em seu jardim, olha os aviões no céu, e expõe suas dúvidas mais secretas aos passageiros, já que eles nunca irão julgá-la. Em seu conflito solitário, ela se vê dividida entre dois mundos: um em que é livre para ser quem é de verdade e dar vazão ao que vai em seu íntimo, e outro em que precisa se enquadrar desconfortavelmente em convenções sociais. Em um retrato original de uma garota que luta para se libertar de definições ultrapassadas, este livro leva os leitores a questionarem tudo e oferece esperança para aqueles que nunca deixarão de buscar o significado do amor verdadeiro.

"Mas é bom amar uma coisa e não esperar nada em troca. É bom não haver discurssão nem pressão alguma, ou qualquer boato de qualquer baboseira. É amor sem amarras. É o ideal."

Astrid Jones é uma jovem de dezessete anos, quando tinha apenas onze se mudou para Unity Valley, não era o que queria, mas Claire (sua mãe) cismou de ir morar na casa onde sua avó viveu por um longo tempo. Anos depois de terem se mudado, e Astrid ainda não se acostumou. Sua família está desestruturada, seu pai vive chapado e todos fingem não verem, sua mãe só pensa em trabalho e não faz outra coisa, Ellis (irmã mais nova) não tem um bom relacionamento com ela e a própria Astrid não faz muita coisa para mudar a situação.

No ambiente escolar, ela é conhecida por ser a nerd que trabalha na revista da escola. Astrid tem dois melhores amigos, a Kristina e o Justin. Há dois anos eles escondem um enorme segredo de todos, e que se alguém descobrisse seria bem complicado para Kristina e Justin explicarem a verdade. 

Mas, Astrid também tem seus segredos, que só não compartilhar com os amigos por não saber se suas dúvidas são ou não infundadas. Ela mantém seu relacionamento com Dee em segredo por tanto tempo, e ainda tem tantas dúvidas, que não sabe como lidar com a situação e resolve deixar tudo como estar.

Há muito tempo Kristina e Justin a chamam para ir a uma boate gay, e Astrid sempre dizia não. Até que resolveu ir e acabou gostando, se identificando com o lugar. Passou a frequentar todos os finais de semana. Astrid nunca tinha falado com seus pais sobre sexualidade, imaginem o choque e a confusão que ficaram ao receber uma ligação da polícia, pedindo que fossem buscá-la? 

"não se contente com nada menos do que a verdade. Mesmo que a resposta seja não sei."

Astrid é um poço de dúvidas, ela tem dúvida sobre o que quer estudar, sobra qual faculdade vai cursar, se é ou não é, a maioria das dúvidas dela é uma coisa típica em adolescentes e em algum momento você vai se identificar com a personagem. Ela é muito tranquila em relação a situações que me deixariam p da vida, porém quando ela explode a coisa é feia. Ao mesmo tempo que eu não conseguia entender a personagem, eu me identificava com algumas de suas características e senti que a conhecia, como se pudéssemos um dia ser amigas. 

Claire me deu nos nervos haha, em alguns momentos ela me lembrou minha própria mãe e eu fiquei tentando lembrar se eu tão pacífica como a Astrid. O pai dela é um personagem que me causou pena, ele não foi bem sucedido no que desejava e meio que desistiu de tudo, ele é a personificação do que não podemos nos tornar, uma pessoa sem propósito, que faz as coisas porque tem que fazer. Eu notei uma certa fragilidade por trás da brutalidade de Ellis, e isso despertou meu senso de proteção, pois não é fácil viver numa família onde tudo é complicado.

Não vou dizer que compreendo o que é ser um homossexual, porque esse livro me provou que sei muito pouco sobre o assunto e foi um dos motivos do porquê estranhei a leitura no começo. Se já é complicado você não conseguir se encaixar em lugar nenhum e viver sempre com a sensação de algo errado, some isso as pessoas fazerem piadas de mau gosto e tentarem a todo tempo te ridicularizar, te fazer sentir inferior? Complicado, né! Agora, imagine você não ter certeza se é homossexual ou não, a confusão fica muito maior. Até hoje li pouquíssimos livros com a temática LGBT, porém esse livro me impressionou e me faz pensar de uma forma que nenhum outro conseguiu. A delicadeza e inteligência que a autora usou para nos fazer refletir e analisar sobre o assunto foi incrível.

Esse foi o meu primeiro contato com os livros da autora e fiquei muito feliz em conhecer a escrita dela. Ela tem uma forma única de cativar o leitor e contar sua história. Além disso, King soube desenvolver não só a história, como os personagens também. Com certeza quero ler outros livros dela.

Em paralelo, as confusões da vida da Astrid, temos através de textos curtos o vislumbre das vidas de pessoas desconhecidas. Astrid adora "enviar amor" aos passageiros dos aviões que ela gosta de observar e é nesses momentos que damos uma breve rápida em suas vidas. Achei isso bastante interessante.

Uma leitura leve, cheia de questionamentos, dúvidas e aulas de filosofia. Uma narrativa que cativa, personagens com os quais nos identificamos e uma temática muito atual, A. S. King nos suga para o dia-a-dia de Astrid Jones e nos encanta com sua escrita, há momentos em que você irá rir e outros que você (provavelmente) irá se emocionar.


Beijos e até o próximo post!

© Entre óculos e Livros - Todos os direitos reservados.
Criado por: Thayanne.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo