Curta e fique por dentro!

[Resenha] De repente, o desejo.


Título original: Yours, Unexpectedly
Autor (a): Susan Fox
Editora: Única
Ano: 2013
ISBN: 9788567028040

Sinopse: Merilee Fallon está para se casar quando começa a se sentir incomodada com a situação. Apaixonada desde os sete anos por Matt, ela sempre sentiu que ele era sua alma-gêmea até que ela vê suas irmãs chegando para o casamento. Todas apaixonadas, vivendo fortes emoções. Ela também queria aquilo, viver uma paixão louca, encontrar um cara que lutasse por ela. Esse casamento pode estar com as horas contadas! Matt sempre planejou a vida ao lado de Merilee, e a chegada do casamento só reforça seu amor por ela. Mas quando Merilee entra em crise pré-casamento e decide adiar tudo, ele fica sem chão. Qual seria a maneira de tentar reconquistar o amor de sua vida? No último volume da saga das Fallon, acompanhe o fechamento dessa incrível história, na qual o amor, o cara ideal, o destino e o desejo acertaram em cheio o coração dessas lindas irmãs!

"Elas de fato perceberam que nem sempre podiam consertar as coisas, que às vezes o melhor que uma pessoa poderia dar era a compreensão e o amor."

Merilee Fallon é a caçula do Clã Fallon. Ela estava de casamento marcado e por isso as irmãs mais velhas vieram de várias partes do mundo para ajudar na organização e participarem da cerimônia. Ao observar as irmãs com seus companheiros, Merilee começou a ter dúvidas em relação ao Matt, seu noivo.

Matt e Merilee se conhecem desde criança. Então, não foi surpresa quando assumiram um relacionamento, eles estão juntos há quatorze anos e Merilee sente que o relacionamento caiu na rotina, e ela deseja algo igual ao que as irmãs estão vivendo. Ela quer paixão, inovação, calor e desejo.

Decidida, ela vai até a casa do Matt e cancela o casamento. Merilee achava que ele fosse chorar ou que fizesse algo grandioso para fazê-la ficar, e ao recebe um choque mudo, ela percebe que tomou a decisão certa. Quando diz a família a triste notícia, todos começam q dar palpites, que ela ignora. No dia seguinte, de cabeça mais fria, ela não vê o porquê de negar a sugestão de sua irmã de assumir tanto o casamento, quanto a festa.

O problema agora é o que fazer com a viagem, já que sua irmã não poderá ter Lua-De-mel por agora e nenhum dos familiares ou amigos conseguiram orar férias num período tão curto. A princípio Matt sugere que Merilee vá para descansar, pois com tudo o que aconteceu no último ano, ela realmente precisa desse tempo. Porém, ela diz que não vai e sem avisa-la Matt embarca rumo ao cruzeiro. Chegando no aeroporto, ele da de cara com Merilee. Será que algum deles cederia ou irão juntos como a mãe de Matt sugeriu?

"Você não pode planejar o seu futuro com base no que outra pessoa quer."

Fazia um bom tempo que eu estava com esse livro encalhado na estante. Fui lendo os volumes anteriores e gostando, por isso demorei para ler este, por não querer me despedir desta família tão incomum, mas cheia de amor e cuidados. Como é típico dos livros da autora, foi uma leitura muito rápida.

Merilee tem apenas vinte e um anos e já tinha sua vida toda planejado. Mas, não se sentia totalmente satisfeita e foi preciso levar uma sacudida para entender o que era importante. Ela é sensata, madura e muito responsável, por isso foi difícil tomar uma decisão que afetaria todo o seu futuro dessa forma.

Achei os pensamentos do Matt meio confusos no começo, depois consegui compreender seu medo conforme fui conhecendo-o melhor. Matt viveu com um pai violento, foi abandonado e teve que crescer como o homem da família. Não foi fácil ter essa responsabilidade sobre os seus ombros, isso só se intensificou quando conheceu Merilee, pois ele se sentia responsável por ela também.

Juntos, Matt e Merilee aprenderam a agirem mais de acordo com a idade deles e deixaram as coisas fluirem naturalmente. Também aprenderão que o amor é importante num relacionamento, mas que há muito mais envolvido para fazê-lo funcionar. Foi um casal pelo qual torci como louca, porque era nítido o quanto se amavam e que estavam só enfrentado uma fase ruim, que se persistirem terão um lindo caminho pela frente.

Como sempre, Susan nos leva a uma viagem cheia de descobertas, drama familiar, amor, amizade e sexo. Nada daquele sexo casual e sem sentido, mas um sexo mais romântico no qual a mulher vai se descobrindo e se sentindo bem, bonita e amada. Uma leitura rápida devido a narrativa leve, fluída e envolvente, personagens carismáticos e uma lição muito bonita.


Beijos e até o próximo post!

[Resenha] Marketing & Amor.


Autor (a): Rebecca Romero
Editora: Amazon
Ano: 2016
ISBNB01N2N09W4

Sinopse: Margot O’Hara é uma das empreendedoras mais bem-sucedidas do país e tem sua vida inteiramente como ela sonhou. Vendo mais uma oportunidade, ela aceita a proposta que a família Renard lhe apresenta: uma parceria para que ela ajude a salvar uma agência de relacionamentos que está propensa a falir. Elijah Renard, por outro lado, está infeliz com seu trabalho. Mas quando passa a conhecer Margot, ele começa a sentir uma chance de reatar seu interesse nos negócios da família. Seguindo esse caminho de marketing e empreendedorismo, Margot e Elijah iniciam um vínculo que vai além do digital.

"Não deve haver nada pior do que não sentir nada por algo que realmente gostamos."

Elijah Renard não estava contente com seu trabalho, na verdade era algo mais profundo que isso. Por isso, não recebeu muito bem a ideia de seu pai em comprar um site de relacionamentos (tipo Badoo). Harrison, pai de Elijah, insistiu na ideia e conseguiu ir em frente com o projeto. Ele tomou conhecimento sobre marketing digital e acredita que será bom para o novo negócio, e é assim que ele conhece Margot O'Hara.

Margot é muito bem sucedida nesta área, foi uma das primeiras a investir nisso e hoje tem um amplo portfólio, conseguiu se tornar rica com este negócio. Ela dá palestras e auxilia pessoas a conquistarem, através do marketing digital, sucesso. Seu trabalhão agora é fazer o aplicativo, que recebeu o nome de Comigo, obter sucesso.

A família Renard recebe Margot muito bem, todos estão encantados com seu potencial. Mas, Margot não enxerga Elijah com bons olhos, ela tem uma ideia formada sobre ele, e terá que trabalhar diretamente com Elijah. Será que essa convivência a fará mudar de ideia?

Elijah tem seus próprios demônios a enfrentar e este novo trabalho, está fazendo com que ele questione toda a sua vida e aqueles que o cercam. Será que ele conseguirá lidar com seu passado e aproveitar o presente?

"Depressão. É uma palavra tão difícil de dizer, não concorda?” ele prossegue. “Acho que é porque vivemos em um mundo em que nossos problemas são diminuídos. As pessoas diminuem eles e quando nós falamos, parece que nós mesmos estamos diminuindo nossos problemas, exatamente porque o mundo diminui eles.”

Já falei aqui no blog que não curto ler sinopses, evito-as sempre que posso, e com esse livro não foi diferente. Eu o conheci através do Instagram, vi comentários positivos sobre a história, no entanto não sabia realmente do que ia se tratar. Surgiu a seleção de parceria com a autora e não pude perder a oportunidade de conhecer essa história.

Margot sempre batalhou muito para ter o que queria, e mesmo tendo muitas dúvidas em relação ao seu trabalho, decidiu encarar o desafio. Margot é apaixonada por New York, cultura pop e dar sua opinião sobre tudo, ela é muito independente e feminista. É bem legal ver sua opinião sobre o movimento, ela fala muito abertamente sobre o asssunro, o que me deixou tentanda a buscar mais informações sobre isso.
Elijah tem a vida dos sonhos. É rico, bonito, jovem e bem sucedido em sua área de trabalho, mas sofre de depressão e isso coloca muitas dúvidas e pressões sobre seus ombros. Ele enfrentava tudo calado com medo de ser julgado, e ao ter o apoio dos pais, ele percebe que ninguém consegue ser forte o tempo todo. Elijah é meigo, respeitador, muito família. Enfim um sonho de homem.

O que mais me agradou foi a construção do romance. Óbvio! que teve aquela tensão desde o começo entre os protagonistas, porém não passa de um flerte divertido. A autora quis passar uma imagem mais verdadeira do relacionamento (acredito eu), nada daquelas paixões mega ardentes que em apenas dois dias já estão cogitando casamento. Não, aqui tudo vai sendo construído diariamente com a convivência, passa pela fase da amizade até chegar ao amor. Eu gostei muito dessa coisa "tudo no seu tempo".

Rebecca fala muito em cultura pop, ela dá várias dicas de filmes, seriados, músicas e até livros no decorrer da história, e eu achei isso muito maneiro e anotei várias dicas, espero ver/ler/assistir/ouvir (e gostar) de tudo que foi indicado. 

Tive apenas uma ressalva em relação ao livro. A história se passa em New York e a autora arrasou nas descrições dos lugares, porém ela colocou muitas expressões em inglês, entendo que em inglês tudo fica mais bonito de se ler e falar e até achei que foi uma sacada bacana, mas que pecou pelo excesso e sei que isso pode incomodar aqueles que não leem/falam em inglês. Eu mesma entendi todas as expressões e achei um pouco cansativo, imagine quem não.

Apesar disso, é um livro maravilhoso, que recomendo de olhos fechados pra quem curte romances, livros com uma pegada mais erótica, porém sem ser vulgar e para quem gosta de personagens feministas e mocinhos que não só apoiam a causam, como demonstram isso com suas ações. A escrita da autora é impecável, ela escreveu com tanta propriedade sobre os assuntos abordados. Os cenários de algumas cenas me deram (ainda mais) vontade de conhecer NY de cabo a rabo. Enfim, uma leitura muito delícia de se fazer. 


Beijos e até o próximo post!

[Resenha] Princesa de Papel.


Título original: Paper Princess
Autor (a): Erin Watt
Editora: Essência
Ano: 2017
ISBN: 9788542208870

Sinopse: O primeiro livro da série The Royals, a nova sensação new adult dos EUA. Ella Harper é uma sobrevivente. Nunca conheceu o pai e passou a vida mudando de cidade em cidade com a mãe, uma mulher instável e problemática, acreditando que em algum momento as duas conseguiriam sair do sufoco. Mas agora a mãe morreu, e Ella está sozinha. É quando aparece Callum Royal, amigo do pai, que promete tirá-la da pobreza. A oferta parece tentadora: uma boa mesada, uma promessa de herança, uma nova vida na mansão dos Royal, onde passará a conviver com os cinco filhos de Callum. Ao chegar ao novo lar, Ella descobre que cada garoto Royal é mais atraente que o outro – e que todos a odeiam com todas as forças. Especialmente Reed, o mais sedutor, e também aquele capaz de baixar na escola o “decreto Royal” – basta uma palavra dele e a vida social da garota estará estilhaçada pelos próximos anos. Reed não a quer ali. Ele diz que ela não pertence ao mundo dos Royal. E ele pode estar certo.

"Acostume-se a fofoca, querida. Acostume-se a andar em um quarto e ter todos a sussurrar que você não pertence ali. Se acostume com isso, mas não deixe que esses sussurros a derrotem. Revide quando eles atacarem você. Não seja fraca."

Ella Harper estava morando na cidade de Kikword, quando foi encontrada por Callum Royal. Ella trabalhava como stripper para sobreviver, mesmo tendo apenas dezessete anos, sua mãe faleceu de câncer e ela nunca conheceu seu pai, tudo o que sabia sobre ele era que se chamava Steve e que lhe deixou um relógio. Callum diz ser seu tutor, que antes de Steve morrer, ele descobriu da existência de Ella e queria muito encontrá-la.

Ella não acredita em nada do que Callum diz, principalmente quando ele tenta levá-la para morar com ele. Ela procura meios pra fugir, mas não consegue executar a ação. Callum, então lhe propõe dez mil dólares por mês + faculdade paga, caso ela vá morar com ele. Ella desconfia das intenções de Callum a princípio, porém, sempre foi seu sonho fazer faculdade e mudar de vida. Sendo assim, ela aceita.

Mesmo com o sobrenome e do ar de riqueza em torno de Callum, Ella se surpreende ao chegar na mansão, onde ele mora junto com seus cinco filhos. A convivência com os meninos Royals não será nenhum pouco fácil, ainda mais que eles suspeitam que há algo mais rolando entre Callum e Ella, eles farão de tudo para mantê-la afastada do pai deles é dificultaram bastante a vida dela. Ella começa a pensar sobre se vale mesmo a pena o esforço, ao analisar tudo pelo que já passou, ela resolve não se intimidar com diante de garotos mimados.

"Olha, eu gosto de você. Não achei que eu fosse, mas eu faço, e porque eu gosto de você, eu sinto a necessidade de avisá-la que nós Royals somos muito fodidos. Nós somos bons na cama, mas fora dela? Nós somos como um estágio quatro de furacão."

Não sei o que me atraiu nesse livro, não tinha lido a sinopse e mesmo a capa sendo bonita, não é nada demais. Contudo, desde que soube desse lançamento, o desejei. Eu pretendia pelo carnaval, mas acabei não tendo tempo, e agora posso finalmente dizer que li esse livro maravilhoso.

Devo dizer que tenho uma grande admiração por Ella. Ela é decidida, determinada, inteligente e persistente. Passou por situações bem complicadas na vida e tão nova, contudo não deixou de ter uma visão positiva e otimista das coisas. Não se deixa abater pelo medo e nem recua em suas decisões. Foi uma personagem por quem eu torci logo de cara, me apeguei muito a ela e torci para que tivesse seu final feliz.

Os meninos Royals são uma mistura de detestáveis com cativantes. Por sempre terem vivido no luxo, eles se acham muito importantes. E no começo da leitura não consegui gostar de nenhum, na verdade eu odiava o Easton. No decorrer da história, ele acabou se tornando um dos meus personagens favoritos. 

Callum Royal, o chefe da família, é um enigma para mim. Com Ella passa uma imagem, já seus próprios filhos tem uma imagem bem diferente dele, o que me faz questionar quem é o verdadeiro Callum. Brooke, sua namorada, também é alguém que me deixa de orelha em pé, pois algumas de suas atitudes beira a crueldade, e ele (tenta) se fazer de prestativa e amiga.

A parte romântica, como era de se esperar de um autêntico YA — apesar de a série ser vendida como um new adult 🙄 — é cheia de dramas e reviravoltas. Isso pode incomodar algumas pessoas, mas não a mim, eu acho que isso torna a leitura mais instigante. E além disso, é bem realista, pois se formos reparar em relacionamentos adolescentes é disso a pior hahaha. Quem nunca teve um relacionamento iô-iô?

Gente, meu deus, que final foi aquele? Estou até agora pensando e morrendo de raiva dele. Tentando entender onde tudo deu errado e o porquê de aquilo acontecer. Preciso da continuação pra ontem, pois não paro de pensar nisso, querendo saber o que a Ella vai fazer, como o Callum vai reagir e os meninos Royals o que irão resolver. É muito ruim não poder falar abertamente sobre isso aqui na resenha, mas se você já leu Princesa de Papel (e gostou, claro haha) vem conversar comigo logo.

Por conta do título, eu esperava uma coisa mais conto de fadas, ao me deparar com a vida de Ella e ela se adaptando ao mundo dos Royals, eu acabei gostando porque junta o conto de fadas + mundo real. E é bem legal observar esses dois universos coexistindo juntos.


Beijos e até o próximo post!

[Quote] Cidade de Vidro.


Olá, todo mundo!

Estava eu fazendo a programação mensal do blog, quando me deparei sentindo falta de algo. Tenho muitas resenhas para por no ar esse mês, mas eu precisava de uma postagem diferente e que ainda assim fosse relacionada a livros. Pensei durante horas e vi que selecionar os melhores quotes de livros que leio, seria uma ótima postagem. Então, eis me aqui! Hahaha. E o escolhido da vez foi o terceiro livro da série Os Instrumentos Mortais, Cidade de Vidro, espero que gostem.

"Uma coisa que se aprende à medida em  que se envelhece, Simon, é que quando as pessoas dizem alguma coisa negativa a respeito de si próprias, geralmente é verdade."

"As pessoas não nascem boas ou ruins. Talvez nasçam com tendências a um caminho ou outro, mas é a maneira como se vive a vida que importa. E as pessoas que conhecemos."

"Infelizmente, você nunca realmente odeia ninguém tanto quanto a alguém com quem já se importou um dia."

"É como um ferimento por veneno de demônio, tem que deixar quieto para melhorar. Cada vez que se tira os curativos, apenas reabre o machucado. Cada vez que ele a vê, é como se estivesse deixando as feridas expostas mais uma vez."

"Não se pode sufocar a verdade para sempre, alguma hora ela vem à tona."

"Mas enquanto me lembrar de como era amar você, sempre vou me sentir como se estivesse vivo."

"— E agora estou olhando para você — disse —, e você está me perguntando se ainda a quero, como se eu pudesse deixar de amar. Como se eu fosse desistir do que me deixa mais forte que qualquer outra coisa. Nunca ousei dar tanto de mim a ninguém antes; apenas pedaços de mim aos Lightwood, a Isabelle e Alec, mas levei anos para fazer isso... Mas Clary, desde a primeira vez em que a vi, pertenci completamente a você. E continuo pertencendo. Se você me quiser."


Beijos e até o próximo post!

[Resenha] Baía da Esperança.


Título original: Silver Bay
Autor (a): Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Ano: 2016
ISBN: 9788580578737

Sinopse: Liza nunca conseguiu fugir do passado. Mas nas praias paradisíacas da encantadora comunidade de Silver Bay ela ao menos encontrou a liberdade e a segurança que procurava se não para ela, para sua filha pequena, Hannah, até que Mike Dormer se hospeda no hotel que Liza administra com a tia. Um perfeito cavalheiro inglês, com roupas elegantes e olhar sério, Mike pode significar o fim de tudo que Liza trabalhou arduamente para proteger: não apenas o negócio da família e o lugar que tanto gosta, mas principalmente a convicção de que ela nunca amaria nem seria digna de amor outra vez.

"Porque, quando alguém está cercado por tantos segredos como eu, é bom dizer as coisas abertamente, algumas vezes."

Após uma tragédia Liza McCullen pegou sua filhinha, Hannah, e se mudou de Londres para Silver Bay, na Austrália. Onde criou residência com a ajuda de sua tia Kathleen. Sua tia lhe ensinou tudo o que sabia sobre ser observadora de baleias (ou baleeiros) e assim Liz fez disso sua profissão. Mesmo morando há anos na ilha, ninguém conhece de verdade a Liza.

Kathleen é dona de um pequeno hotel em Silver Bay, mal tem movimento por se tratar de uma cidade pequena, e com o dinheiro do trabalho de Liza elas vivem bem. Não com luxo, mas com a paz e felicidade — não muita no caso da Liza — que o local traz.

Mike chega como quem não quer nada a ilha e como não diz para que veio, as pessoas presumem que está de férias, apesar de não ter o perfil de quem está de férias. Mike, seu sotaque e seu modo de se vestir e falar são destoantes naquele lugar.

Mike fica intrigado com o modo como as pessoas vivem naquela ilha, é tudo tão inspirador, cheio de amor e esperança, que ele fica em duvidas com o porquê de ter ido para Austrália. O jeito de Liza também o intriga muito e quanto mais tempo ele passa ali, mais ele quer ficar é mais dúvidas surgem. Será que Mike , o cara que sempre colocou o trabalho em primeiro lugar está mudando?

"Às vezes é difícil saber o que alguém poderia fazer — retrucou, fazendo uma pausa em seguida. — Sei melhor do que ninguém que a gente nem sempre se comporta como é de se esperar. E esta não é uma situação normal."

Eu sou muito fã da Jojo, ela tem muitos livros lançados, porém sempre consegue trazer coisas novas em seus romances. Não é o tipo de autora que tem uma "fórmula" como Nicholas Sparks, Cassandra Clare e Rick Riordian, ela procura inovar e investe em assuntos que fazem o leitor pensar sobre. Foi por isso que eu estava tão empolgada para esta leitura.

Liza é muito fechada, e se não fosse seu relacionamento com Kathleen e Hannah, ela seria totalmente amarga. Liza sofreu muito na vida e até hoje carregada nas costas uma enorme culpa, que ao invés de deixá-la cruel ou uma pessoa ruim, a faz se fechar numa concha e não deixar que as pessoas a conheça. Ela é uma ótima mãe e está sendo difícil ter que continuar mentindo para filha, na tentativa de mantê-la segura.

Mike é ambicioso e o próprio admite isso. Sempre obteve o sucesso que esperava de tudo o que fazia e isso mudou sua personalidade. Ele não tinha paixão por nada mais. Tudo se tratava de dinheiro, roupas de marca, carrão do ano e ser reconhecido. Até que precisou ir para Silver Bay e mudou tanto, que era quase como se houvesse sofrido uma lavagem cerebral. Isso me fez ter esperança que as pessoas realmente mudam. 

Não posso deixar de falar da Hannah. Que criança encantadora, inteligente e fofa. Seu relacionamento com o Mike é muito bonito, porque querendo ou não, eles são desconhecidos, mas se tratam e conversam como se conhecessem desde sempre. E ele é o primeiro a ficar sabendo o quanto dói para Hannah não poder falar de seu passado com medo de machucar a mãe. É uma criança que passou por muita coisa, e que por ser tão nova, o que lhe aconteceu não interferiu tanto ou trouxe marcas.

Muitas pessoas podem achar que o final do livro foi muito rápido ou superficial demais. No entanto, eu me encantei com o final. Não posso falar muito sobre, porque é um tremendo de um spoiler, no entanto quem já leu ou quem vai ler, entenderá o que quero dizer. O final foi muito emocionante e me deixou com um sentimento de quentinho no coração, saber que às vezes há uma luz no fim do túnel mudou tudo para mim, foi algo mágico e tornou o livro ainda mais perfeito.

Uma leitura maravilhosa, cheia de amor, com um enredo original e que emociona, além de abordar uma questão muito importante, a preservação dos animais e do meio ambiente. Com uma narrativa fluída e uma escrita inteligente, Jojo nos leva numa viagem pela Austrália, onde iremos nos apaixonar, se envolver, torcer (e alguns) chorar. Um excelente drama, que irá chamar a atenção para um assunto que finalmente está ganhando espaço para ser debatido e não mais tratado como tabu, relacionamentos abusivos. 


Beijos e até o próximo post!
© Entre óculos e Livros - Todos os direitos reservados.
Criado por: Thayanne.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo